Letras tóxicos

Tóxicos Letra: Yo soy tu tóxico, tú eres mi tóxica, Lo de nosotro’ es bellaquera crónica, Dice que me odia, pero sigue aquí-í-í, Enamorá’ de este bi-i-i. Yo soy tu tóxico, tú eres mi tóxica, Lo de nosotro’ es bellaquera crónica, Jode con cojone’, pero sigo... La Agencia para Sustancias Tóxicas y el Registro de Enfermedades (ATSDR, por sus siglas en inglés), es una agencia federal de salud pública ubicada en Atlanta, Georgia. La misión de la ATSDR es servir al público usando la mejor ciencia, tomando acciones de salud pública que responden y proporcionando información de salud confiable, para prevenir exposiciones nocivas y enfermedades ... Jowell & Randy - Tóxicos (Letras y canción para escuchar) - Yo soy tu tóxico, tú ere' mi toxica / Lo de nosotro' e' bellaquera crónica / Dice que me odia, pero sigue aquí / Enamorá' de este bi / Yo soy tu tóxico, Letras. Los factores tóxicos del capitalismo. Por: Natalia - 28 de octubre, 2015 “Si Adam Smith reviviera para ver lo que hemos hecho con su idea del capitalismo, estoy segura, el pobre se volvería a morir” Comentó mi maestra de sociología y a pesar de haber soltado una carcajada prolongada, la frase me puso a pensar. Tóxicos - Jowell & Randy Letra. (Lyrics Music Video) Yo soy tu tóxico, tú ere' mi toxica Lo de nosotro' e' bellaquera crónica Dice que me odia, pero - Jowell & Randy - Tóxicos Letra Lyrics Músic. Los elementos químicos son representados mediante una o la combinación de letras (siglas), que resume el nombre entero del átomo, por ejemplo: oxígeno (O), mercurio (Hg) y lawrencio (Lr). Abundancia de los elementos químicos. Existen en la actualidad 118 elementos químicos conocidos, entre los naturales y los artificiales. Ver las letras de Elementos Tóxicos y escuchar '1000 Razões, 1000 Desculpas', 'Abismo Eterno', 'Bicudinha', 'Bruna Surfistinha' y más canciones! Tóxicos Letra: Porque somos tóxicos, wua-ah, Porque somos tóxicos, wuaaaoh. Bajo la luna muchas veces dije que te amaba, Frente a la gente muchas veces también digo “te amo”, Sigo jurando que diré que no cuando me digas que salgamos, Pero me llamas y digo... Jowell & Randy - Tóxicos (Letra e música para ouvir) - Yo soy tu tóxico, tú ere' mi toxica / Lo de nosotro' e' bellaquera crónica / Dice que me odia, pero sigue aquí / Enamorá' de este bi / Yo soy tu tóxico, Tóxicos. Yo soy tu tóxico, tú ere' mi toxica Lo de nosotro' e' bellaquera crónica Dice que me odia, pero sigue aquí Enamorá' de este bi Yo soy tu tóxico, tú ere' mi toxica Lo de nosotro' e' bellaquera crónica Jode con cojone', pero sigo aquí Enamora'o de tu toti (eso e' un cococito, mami). Tú sí que jode', jode', jode' con cojone' Pero me gusta' con cojone' Tú sí que jode', jode ...

YC96 Bilingual (English and Spanish / español) review for ISO Spanish and Valenciano users

2020.07.26 11:36 Silver_Difference YC96 Bilingual (English and Spanish / español) review for ISO Spanish and Valenciano users

ENGLISH

WARNING: "THIS REVIEW WAS WRITTEN BY A COMPLETE NOOB FOR COMPLETE NOOBS. EXPERTS WITH TOXIC PERSONALITIES AND TOXIC COMENT TENDENCIES PLEASE STAY AWAY, BLOCKING PEOPLE ON THE INTERNET IS A VERY NICE PAST TIME".
Since I'm a native Spaniard (ISO kingdom) and due to the lack of comprehensive reviews for this keyboard in an ANSI 96 keys layout for ISO Spanish users, I've decided to post my own, both in English and Spanish since not everyone speaks English and not every one speaks Spanish, in order to help answer some questions we Spanish ISO users have regarding this keyboard in our dayli life.
So, I purchased the black kit with brown Gateron switches form the Kbrepublic site on Aliexpress, and it took way over a month to get home, I don't know why it spent over 15 days at Belgium customs, for about 82€ pretty neat for this kind of keebs.
I built it live on my Twitch channel (Sorry Guys it's all in Spanish), and there you can see the mods I did to it, I used some foam and, band-aid mod, as well as some o-rings to dampen it's sound as much as possible since I wanted it to be as quiet as possible.
I slightly lubbed all the stems and springs, I didn't bothered with the housings, since I wanted them lubbed but I didn't wanna mess with their tactile feel too much. I used only one kind of lube for everything and it's working great. This one.
Now with all the basics out let's get to the pros and cons.
Pros:
  1. - Its price it's one of the cheapest compact 96 keebs out there.
  2. - Materials aren't bad at all, obviusly they aren't premium materials but hey, it's affordable.
  3. - It can be used with phones and tablet becuase it has built-in BT.
  4. - It has a built-in battery so it can also work wirelessly.
Cons:
  1. - The cable routing makes no sense, you have 3 possible ways of wich only one is usable and even that one I decided to slightly mod in order to preserve my USBC connector's integrity (all you need is 3 min and some coarse sand paper) since it's extra tight on the wire it you really need to force it in at a very dangerous angle in order to connect it, so please do this very simple mod. Here you have a clip of the result after the sanding.
  2. - The switches they sent were for on switch LED and had a black lower housing. THIS IS AN SMD LED PCB MOUNTED KEEB GOOD DAMMIT!!! I had to mod all of the switches too, just send them with eiter clear or slotted lower housing switches, dudes.
  3. - Screws are soft AF, so be extreamly cautious with those since it's very easy to round those slots.
  4. - The plate is held to the PCB by some weird fins instead of screws.
  5. - Stabs are plate mounted. This is my very first DIY keeb so I haven't tested any other modded stabs, I love mine, but that's just my opinion.
  6. - The plastic cover for the battery power switch is so loose it's just a joke, I took mine off and use something thin and rigid to activate it.
  7. - Something weird happened. After 2 uses it stoped detecting key presses but the pc would recognize it as a keeb and load it. I solved it by tigthening the screws on the back plate a bit more.
And now for the big question, would it work for Spanish and Valenciano typers, yes it will, you'll only have to get used to the fact that the "ç" is now locate in the key between the back space and the enter key, and that's it. The "ñ" is possitioned next to the "l" key as usual.
BTW here you have a sound test.

Español

ATENCIÓN: ESTA REVIEW HA SIDO ESCRITA POR UN NOVATO ABSOLUTO PARA NOVATOS ABSOLUTOS. POR FAVOR, LOS PROS CON TENDENCIAS TÓXICAS Y CON TENDENCIAS A LOS COMENTARIOS TÓXICOS Y ALTANEROS PASAD DE LARGO, BLOQUEAR A GENTE EN INTERNET ES UN BUEN PASATIEMPO.
Bueno, ya andamos por aquí con la versión en español. Tal y como comentaba antes soy español nativo pero andaba a la busca y captura de un teclado compacto con numpad que además fuese altamente customizable y me permitiese (cuando me apetezca) cambiar de switches con facilidad. Además, estaba en paro por lo que el presupuesto era un factor determinante, con todo esto en mente y tras mucha investigación me decidí por el YC96 y la verdad es que para ser mi primer teclado custom, estoy bastante satisfecho. Además, está el tema de que como usuario de español y valenciano con un teclado ISO me saltaron varias dudas que me gustaría responder en este post (si os surge alguna adicional a las respondidas aquí, no dudéis en plantearla en los comentarios) .
Compré el kit negro con switches marrones por 82€ en la tienda de Aliexpress por la seguridad adicional de poder reclamar el dinero si el kit finalmente no llegaba. Recordad que ya se avisa de que el kit no trae las keycaps.
Lo monté en directo y lo modifiqué en el mismo directo, solo tardé 4 horas. En resumen, en lo referente a los mods, lubriqué el tallo y los muelles, no quise lubricar la carcasa por no fastidiar demasiado la respuesta táctil de los switches; también metí un poco de espuma dentro de la carcasa ya que mi objetivo es que sea lo más silencioso posible; a las caps les puse anillas amortiguadoras; y realicé los mods de la tirita y lubricación para los estabilizadores. Toda la lubricación la hice con el mismo producto y la verdad es que es barato y lo recomiendo, se vende en Amazon.
Con todo esto dicho, vamos con los pros y los contras:
Pros:
  1. - Su precio, es uno de los teclados 96 más compactos que hay en el mercado.
  2. - Los materiales no son nada malos, obviamente no es aluminio o latón, pero coño es un teclado asequible.
  3. - Se puede utilizar con teléfonos y tablets ya que tiene Bluetooth integrado.
  4. - Debido a su batería interna puede utilizarse inalámbricamente (para mayor autonomía apaga los ledes).
Contras:
  1. - El puerto USBC del teclado es un peligro para la PCB y para el cable. Hay que forzar el cable al intentar conectarlo y además de las 3 opciones de guía del cable que ofrecen solo 1 es realmente utilizable (tras modificarla para evitar forzar al conectar). El mod lleva 3 minutos, y solo hace falta un poco de papel de lija, aquí os dejo el resultado del mismo tras hacer el mod hoy justo antes de escribir esto.
  2. - Los switches que mandan son para montar los ledes sobre el switch y además con la parte ifnerior negra. EL TECLADO LLEVA LEDES SMD MANDAD SWITCHES ACORDE, CON LA PARTE INFERIOR CLARA Y CON RANURA EN VEZ DE AGUJERITOS DE 0'2MM, ¡COÑO!. He tenido que modificar mis 110 switches para que les pase algo más de luz.
  3. - Los tornillos son de un metal blando de cojones, así que mucho ojo u os comeréis las ranuras.
  4. - La placa se sujeta a la PCB con unas pestañas, que no tronillos, que salen de la placa y se doblan para realizar el ajuste, cuidado con enderezarlas porque se podrían partir.
  5. - Los estabilizadores se montan sobre la placa. Este es mi primer teclado custom, así que no puedo comparar con otros estabilizadores "mejores", a mí me encanta la sensación y el sonido de estos. Para los haters puntillosos, SÍ ES MI PUTA OPINIÓN, MI VIDA MIS NORMAS.
  6. - El embellecedoactuador del interruptor de la batería es de broma, no encaja bien por lo que no sirve para nada. Yo he retirado el mío y con la punta de unas pinzas finas lo muevo en la pcb directamente según necesito.
  7. - Al mío le pasó algo raro tras 2 usos. Mi PC reconocía que había un teclado conectado y los ledes se encendían, pero no se registraban las actuaciones de ninguno de los switches. Al final se resolvió al apretar un poco más los tornillos traseros.
Dicho todo esto, vamos con la parte práctica de este teclado para los usuarios de español y valenciano de teclados ISO. Este teclado tiene una disposición ANSI por lo que puede parecer que se pierden algunas letras típicas del teclado español europeo ISO, pero no es el caso. La "ñ" sigue estando junto a la tecla "l" como siempre y la "ç" en este caso se encuentra entre la tecla de borrado y el intro. Así que sin ningún problema lo podéis utilizar, aunque os tendréis que acostumbrar a su distribución poco a poco, a mí no me ha costado mucho y la verdad es que estoy encantando, tampoco son dos letras que utilice un 90% de las veces por lo que no me supone un padecimiento y por algún extraño motivo el tamaño más recortado del enter tampoco me ha resultado un problema.
Aquí os dejo una prueba de sonido. :D
submitted by Silver_Difference to MechanicalKeyboards [link] [comments]


2020.06.28 21:45 luuh1 “HUMILHADA EM FRENTE DE TODOS”

Olá Luba, editores, gatas, pessoas e possível não convidado que está a ler! Bom minha historia é sobre uma Nice Friend que eu tive. Em 2018 fiz uma grande amizade com uma menina, que vou chamar de Marls, ela tinha eu e outra menina de melhor amiga, vou chamar a outra de Varls, a gente era meio que inseparáveis então sempre estávamos juntas. Lá pra outubro minha mãe fez uma festa de 10 aninhos pra mim (sim nesse ano eu e elas tinhamos de 10 a 11 anos), a festa foi incrível (estou falando isso por que vai ser importante). Bom depois de uns meses da festa lá pra setembro ou novembro, como estávamos no fim do ano a meteria ja tinha acabado e tals, a gente estava jogando stop com outras amigas minhas e a Marls e a Varls, a letra era “M” e eu pensei em colocar “Maisa” mas pensei melhor e coloquei “Malia” então eu rasurei pra mudar as letras, ai quando fomos contar os pontos eu coloco os pontos de cada seção do lado da palavra (tipo 10 ou 5) mass elas pensaram que eu MUDEI a palavra/nome para ganhar mais pontos, mas eu nn tinha feito isso, então uma garrafa de água que estava na mesa, foi jogada pra cima de mim! Ai eu bem irritada ja por causa do ocorrido joguei a garrafa de volta na Marls, pois achei que ela tinha jogado (ja que ela era a mais irritada do grupo) ela ficou mais irritada e pegou a garrafa E DEU COM FORÇA ELA NO MEU BRAÇO, isso tudo foi numa quinta e na sexta tinhamos educação física na quadra. Na sexta, eu ja estava com muito ódio dela por causa da garrafa, nessa aula uma outra + ou - amiga minha que vou chamar de Larls caiu e se ralou toda, ela era muito chorona ent ela ficou chorando muito, ai tava tipo todas ajudando ela a se acalmar, depois de um tempo fomos um pouco mais longe pra animar ela fazendo gracinhas e etc, mas DO NADA a Marls e a Varls chega e começa a ME HUMILHAR NA FRENTE DE TODOS DA SALA eu literalmente comecei a chorar pq eu choro por qualquer coisa ELA ME AMEACOU COM UM CABO DE VASSOURA E ME XINGOU DE TUDO! Eu sai correndo e me escondi até o fim da aula. Quando chegamos na sala a prof que por acaso era incrivel, me perguntou se tava tudo bem, ai eu com medo de algo acontecer pior falei que tava tudo bem. Minha mãe veio me buscar e eu nn me aguentei e comecei a chorar no carro e contei tudo pra ela, minha mãe como a perfeita que é me ajudou muito, mas um pouco depois por causa de MEDO DO QUE PODERIA ACONTECER não queria ir mais pra aula, e no fim de semana bloqueei ela achando que ela me mandaria alguma mensagem de ódio. Na segunda fui pra aula ja querendo chorar, mas nada aconteceu ( tirando o fato de quase ter chorado a cada vez que ela me olhava), voltei da escola e eu (como uma das queridinhas da prof por ter uma das melhores notas) passei o WhatsApp dela pra minha mãe contar pra ela oque aconteceu. A prof sendo uma fofa ficou do meu lado e ligou pra mãe da Marls e pediu pra ela contar a versão da Marls. Mass na versão dela eu aparentemente roubei no stop, dei UM TAPA NA CARA DELA, e eu que comecei a briga! Bom depois de um tempo eu estudava a tarde com ela e mudei de período em 2019 pra de manhã, e foi muito bom (aparentemente o povo da tarde era mto tóxico) pra mim e minha saude mental, que ja nn era muito boa pois eu chorava varias vezes por nada na sala. Por algumas amigas minhas que estudavam a tarde com elas descobri que ela falava mal de mim e conseguiu fazer toda a minha sala que ainda estudava com ela me odiar. Pro final de 2019 ela me mandou umas mensagens no WhatsApp pedindo minha amizade de volta (tenho os prints ate hoje) vou deixar aqui o link para os prints da conversa. Beijos Lubixco essa foi a minha história. 
Link para os prints: prints
submitted by luuh1 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.25 01:46 padre_monti Muerte, Amor y Reggaetón . "Quiéreme mientras se pueda" Manuel y Julián Turizo - REVIEW PADRE

¿Leíste “Reggaetón” y pensaste en algo misógino y banal? no es el caso de “Quiéreme mientras se pueda” de Manuel y Julián Turizo. Ellos muestran que este género musical es compatible con letras contundentes y sabias.

“AUNQUE TE QUIERA PA LA ETERNIDAD, TODO EN ESTA VIDA TIENE SU PRINCIPIO Y SU FINAL”

La primera vez que escuché la canción pensé que hablaría de una historia de múltiples relaciones, ya sabes “termina una, comienza otra”. Algunos incluso pueden ser pesimistas y decir que “aunque en teoría te amo para siempre”, realmente “todo se acaba, como el amor”. Sin embargo, esta canción no habla de un amor pasajero, y también subraya varias veces que se trata de una relación exclusiva “·entre dos y para siempre”.

“LO MEJOR ES LA HISTORIA JUNTOS: UNA POESÍA”

En su single “Quiéreme mientras se pueda” Turizo nos recuerda desde varios ángulos que la vida es frágil y pasajera, pero también, que haber nacido para amar y entregarse le da sentido a todo. Así, aunque la mejor historia de amor termine con la muerte, vale la pena ser compañeros que escriben una historia época, una poesía, día tras día.

“NADIE SE LLEVA NADA AL MORIR”

En la segunda parte de la canción pone al desnudo la mentira de la hipocresía, materialismo, amores tóxicos y superficialidad que predomina actualmente. “Cuando el amor es entre dos las mariposas no son cólicos”, es decir, la pasión romántica deja de ser vértigo peligroso, y nos puede conducir hacia la felicidad.

“GRACIAS A DIOS QUE NOS JUNTÓ EN EL CAMINO”

Con esa breve oración, se da un salto a otra dimensión: si el amor es real, Dios existe, porque Él es amor (1 Juan 4,8). Él es la fuente de donde surge nuestra capacidad de amar eternamente y completamente.
¿CONOCES OTRA CANCIÓN “REGGAETONERA” QUE TE AYUDE A MOVER TU CORAZÓN, (Y NO SÓLO EL CUERPO)? Cuéntame
submitted by padre_monti to u/padre_monti [link] [comments]


2020.04.18 06:06 gabrielta92 o "x" da questão

A letra "x" é sem dúvida a mais intrigante e fascinante letra do alfabeto português, além de proporcionar uma boa dor de cabeça na hora de escrevê-la devido a seus diversos valores fonéticos. Essa letrinha possui nada mais nada menos que cinco sons e, acredite se quiser, ela também não tem valor fonético em determinadas palavras. Legal, né? Abaixo temos alguns exemplos:
  1. xícara
  2. anexo
  3. texto
  4. próximo
  5. exílio
  6. exceção
Em cada uma dessas palavras a letra "x" representa um som diferente. Você que lute para saber como cada qual se lê ou não se lê, já que um deles também é mudo.
:)
Mais exemplos:
  1. xadrez, caixa, peixe, xixi, xarope, xale, taxa, xingar, lixo, bruxa...
  2. tóxico, táxi, fênix, ônix, tórax, sexo, fixo, axila, saxofone...
  3. expressão, cóccix, têxtil, extrato, excomungar, ex-namorado...
  4. máximo, auxílio, trouxe, proximidade, trouxessem, auxiliadora...
  5. exato, êxito, exemplo, exímio, exótico, exaustão, êxodo...
  6. excêntrico, exsudar, excepcional, excelente, excitado...
submitted by gabrielta92 to Portuguese [link] [comments]


2020.03.29 00:31 melirodjim No me digas que me veo lesbiana.

El año comenzó perfecto, recuerdo esa noche, calma y amor rondaban todo el lugar. La oscuridad me acobijaba y la explosión cerebral comunitaria nos hizo ver como si era nuestra última reunión feliz, luego… Te fuiste, nos volvimos caos.
Recuerdo en mis desvelos y a veces me pregunto si eras amiga o amor de mi vida, tampoco puedo entender si todo era una visión borrosa de la realidad pero aquí estoy, empecé a pensar que ha sido peor que una ruptura amorosa, sufrir así es como sufrir dos veces, la disquetera ya se atasca, no hay más sonrisas que compartir.
Hoy te escribí, y en mi fortaleza ilusoria, creada en el andar del tiempo te volví a bloquear. Es más fácil que creas que no te extraño. ¿Qué clase de enamoramiento es este? Tóxico ¿no? No me digas que me veo lesbiana, eso ya lo sé.
Aun hoy, más como sopla el viento, trato de no pensar, por eso la lobotomía era una forma, de bloquear los traumas en el pasado, es más fácil cortar de raíz que aprender a superar y entonces… No me digas que me veo lesbiana, eso ya lo sé.
La cuarentena me volverá más fría, dicen que es una forma de calma, calma para el malvivido espíritu, cierto que yo soy la mala, por primera vez me preocupé más por los pasos y aun así tropecé, nos caímos.
Es increíble, después de tanta carga y pesares, volviendo a escribir y me desquito contigo, en letras y sin que lo sepas.
No es a ti solamente, la frustración está cargando, ya siento la lluvia caer. Las gotas se esfuerzan por no desvanecerse entre las montañas de mis mejillas, soy humana, tal vez no tan bruja, pero si racional... Oh, espera.. Me sale el dolor del pecho, buscaré unas pinzas ¿Me ayudas a sacarlo? Mi pecho está apretado, esto debe ser el virus, cuando ataca en la desolación.
submitted by melirodjim to u/melirodjim [link] [comments]


2020.02.21 05:47 sappysoup Não consigo ajudar minha esposa e isso está me matando

No meio do ano passado minha esposa me contou muito feliz que havia sido provida. Ela estava bastante infeliz com o emprego fazia um tempo porque era um cargo que pagava pouco, trabalhava de sábado e ainda passava o dia recebendo reclamação de clientes (era área de atendimento da empresa), por esses motivos a promoção parecia muito bem vinda. Uma semana depois ela começou no cargo novo e os problemas vieram juntos. O cargo é na área comercial e ela precisa atender telefone o dia todo, apesar de terem dito que isso não ia acontecer, e todo dia ela conta de algum cliente berrando no ouvido. Além de atender, ela também tem que vender, apesar de não ser função dela e portanto não receber comissão. Essas coisas no entanto são questões menores. O problema lá é o ambiente extremamente tóxico. Ela tem uma "chefe", que não tem posição acima dela mas que dá ordens pq está lá há mais tempo e fica o tempo todo rebaixando minha esposa. Diz que ela é desesperada, que faz tudo errado e pior, diz isso pro chefe dela, o chefe de verdade. Com o tempo minha esposa começou a fazer as coisas de forma mais eficiente que os outros lá, e aí começaram a criticar, dizer que estava errado, que as coisas não eram assim. Todos os dias minha esposa conta que as pessoas do departamento julgam a forma dela se vestir, falam do que ela come, quanto e quando come. Se metem em todos os assuntos que podem. Algum tempo atrás ela comentou sobre os gastos que tivemos com a nossa gata doente e as pessoas do departamento disseram que era mais fácil deixar morrer. São pessoas horríveis. Depois de 3 meses nesse ambiente tóxico, combinamos que ela iria largar esse emprego até janeiro. Infelizmente no fim do ano eu fui demitido do lugar que eu trabalhava, não consegui encontrar outro trabalho e no começo de janeiro entrei em depressão, o que dificultou ainda mais a situação e o plano foi abortado. Nesses últimos dias minha esposa está sempre com dores no corpo, não tem mais vontade de comer, tem crises de choro e está constantemente doente. Ela é formada em Letras, tem um curso técnico em Multimídia e dois em Fotografia e está presa em um emprego horrível na área comercial, está sendo muito difícil pra mim vê-la nessa situação e não conseguir ajudar, sinto que parte disso é minha culpa. Desculpem o desabafo, mas isso não sai da minha cabeça.
submitted by sappysoup to brasil [link] [comments]


2019.04.24 02:30 Spookycliquebr Twenty One Pilots para a NME [traduzido]

As filiais da B&Q em Birmingham devem estar fazendo um grande comércio de fita adesiva amarela. Fora do Resort World Arena da cidade, em 27 de fevereiro, os adolescentes estão aplicando-o avidamente ao uniforme verde do exército. À medida que mais tropas descem - com lenços de pescoço amarelos usados ​​como máscaras - é como um elenco para uma versão júnior de The Purge.
Os espectadores podem ser perdoados por presumir que uma demonstração Anônima vai acontecer, mas esta é a Skeleton Clique, superfanbase ferozmente dedicada de Twenty One Pilots, esperando do lado de fora do local seis horas antes do duo de Ohio estar no palco para dar o pontapé inicial no Reino Unido de sua gigantesca Bandito Tour.
Eles fizeram meticulosamente cosplay dos uniformes do vocalista Tyler Joseph e do baterista Josh Dun na arte e vídeos apocalípticos de seu último álbum, "Trench". Alguns se sentam esboçando fotos de seus ídolos. Um aperta um banner estampado com as palavras "VOCÊ SALVOU MINHA VIDA".
É apropriado, porque Twenty One Pilots - com seus principais temas de insegurança, saúde mental e fé - é uma banda perfeita para salvar a vida, uma referência para aqueles que acham que ninguém os entende.
No papel, no entanto, eles são desafiadoramente estranhos. Com "Trench", eles criaram um mundo mítico de alto conceito - que pode confundir até mesmo os roteiristas de Lost. Vagamente, sua trama diz respeito a uma cidade alegórica chamada Dema e os nove bispos ditatoriais que impedem seus habitantes de escapar - e a força rebelde de bandidos que buscam libertá-los. Mas há muito mais do que isso.
Longos sub-threads Reddit são dedicados a decodificar significados ocultos em músicas e decifrar pistas em cada peça de mídia que a banda lança. Há muitos ovos de páscoa: por exemplo, o nome completo de 'Nico' da música 'Nico e os Niners' - um grande inimigo - é Nicolas Bourbaki, que é o pseudônimo coletivo para os cientistas que inventaram a notação de zero - o ø usado na marca de twenty one pilots.
Musicalmente, eles são igualmente pouco convencionais: uma geração Spotify pós-gênero mistura de estilos que facilmente se exercitam através do rap, reggae, R&B, prog, electro-pop, indie - basicamente, eles voltaram a mão para tudo “Canto da garganta mongol”. No entanto, de alguma forma, é verdade que "Blurryface" - seu quarto álbum inovador - enviou o duo estratosférico em 2015, permitindo que o baterista Josh Dun fizesse seus backflips de marca regristrada nos maiores palcos do mundo.
Nos bastidores da arena, os assistentes [de palco] estão montando a elaborada e visualmente espetacular produção de Bandito, que envolve um carro em chamas, e dublê [de corpo] que permitem que um Tyler vestido de capuz desapareça e reapareça, como Houdini, no meio da música, em diferentes partes da arena.
Versões de brinquedos peludos do Ned - o personagem CGI gremlin que eles introduziram recentemente no vídeo "Chlorine" - sobre os alto-falantes. Quando nós primeiro pegamos um vislumbre de Josh - conhecido por suas acrobacias - ele está tocando bateria de ar e fazendo piruetas no ar para suas próprias músicas. Mais tarde, ele e Tyler brigam com os aspiradores de pó que estão sendo usados ​​para aspirar o palco.
Mas eles têm foco de laser. Na música de "Trench", "Bandito", Tyler canta: "Eu criei este mundo para poder sentir algum controle", e você acha que isso se estende a todos os aspectos da banda. Sua pequena equipe de proteção vem de sua cidade natal, Columbus, e tudo o que a NME faz com a banda acontece sob o olhar atento de seu círculo íntimo.
Durante nosso bate-papo de 70 minutos, o gerente da turnê está parado na porta do camarim, aumentando a sensação de que você pode ser transportado para um bunker, emergindo meses depois, reprogramado e enrolado em uma fita adesiva amarela.
Felizmente, a banda é charmosa e solícita. O principal compositor, Tyler, vacila de ser intenso a imbecil ("Nós passamos tanto tempo juntos, eu sinto que sei tudo sobre John", ele brinca com Josh).
Quando ele está dizendo algo revelador, evita o contato visual. Josh é seu lastro lúdico, tendendo a sentar em silêncio e participar apenas quando há uma piada. Nem xinga - nem sequer uma vez. Tendo vindo direto de uma sessão de autógrafos do HMV, Tyler está preocupado com sua voz. "Eu tentei não falar com nenhum deles, mas não posso evitar", diz ele. "Eu fico tipo: 'Muito obrigado por ter vindo, de onde você veio?'"
Eles parecem ser tocados pelos extremos aos quais seus apoiadores foram. Do lado de fora, os fãs até se agitaram vestidas como "bispos" em roupas vermelhas enquanto na Rússia, roupas de banana apareceram na multidão - uma piada sobre como Tyler e Josh, ambos com 30 anos, têm aversão à fruta.
"Nós fornecemos apenas alguns pedaços da inspiração, mas eles são os únicos que se tornaram o motor da coisa toda", diz Tyler. Além de Tyler uma vez "ficar na fila por oito horas, quando The Killers tocou minha cidade natal", nenhum deles foi a extremos extraordinários para seus grupos favoritos. “Nós desejamos que o nível de cultura dos fãs estivesse por perto quando éramos mais jovens”, observa Josh. "Porque muitas dessas histórias sobre como essas pessoas se conheceram e como elas se tornaram melhores amigas quando estão esperando na fila por horas e dias são inspiradoras e legais."
"Blurryface" tornou-se o primeiro disco da história a ter cada uma das músicas certificadas pelo menos em ouro. Quando eles colecionaram o Grammy em 2017 para Melhor Performance de Pop Duo / Grupo para o single "Stressed Out" (batendo Rhianna e Drake, e Sean Paul - um homem que os descreveu como "o novo Nirvana"), eles tiraram seus boxers em o caminho para o palco, lembrando-se de como uma vez eles assistiram ao show de premiação em suas calças em Columbus e disseram: 'Se algum dia ganharmos um Grammy, deveríamos recebê-lo assim'.
É indicativo de sua ambição. Tendo formado Twenty One Pilots como um trio na universidade em 2009, Tyler recrutou Josh e perdeu dois membros em 2011. “Desde o início, tínhamos grandes visões e sonhos de onde queríamos estar, então nada nos pegou de surpresa”, diz Josh , imperturbável. "O que seria mais surpreendente para as pessoas é quantas vezes nos olhamos e dissemos: 'Sim, é exatamente isso que imaginamos e o que vimos'.
Durante o ciclo "Blurryface", eles se lembram de vender pequenos clubes, teatros e arenas no mesmo ano. "Quando você diminui o zoom, você pode pensar: 'Ah, isso foi muito louco'", diz Josh. "Mas nós estávamos em turnê desde 2011 tocando em shows todas as noites, então você está perto demais para perceber isso. É como quando seu tio, que não o viu por um ano, chega e diz: "Você ficou muito alto".
As coisas mudaram, no entanto. Questionado sobre quem é o contato mais famoso em seu telefone, Tyler passa pela sua lista de contatos antes de parar em Chris Martin ("Isso é incrível de dizer em voz alta", ele ri) - o vocalista do Coldplay certa vez deixou uma mensagem de voz sobre a banda. Josh responde: Eu cresci ouvindo uma tonelada de Blink [182], então pensar que nos últimos anos eu me tornei amigo de Mark [Hoppus], é surreal. Quando eu era adolescente, eu nunca teria imaginado que iria trocar mensagens com ele.
Em outubro, quando lançaram 'Trench' - após um apagão de um ano sem envolvimento de mídias sociais ou shows, e uma trilha secreta para os fãs seguirem levando ao seu anúncio - ele só foi derrotado nas paradas por Lady Gaga e Bradley Cooper, com ‘Nasce Uma Estrela'.
Você pode argumentar que é igualmente cinematográfico: as pessoas sugeriram a Tyler que eles deveriam expandir suas promessas distópicas em um longa-metragem. "A intenção nunca foi, 'vamos escrever um disco que tenha força suficiente para se transformar em uma série da Netflix', mas é legal saber que criamos algo com substância suficiente para sabermos que essa pergunta está sendo feita", ele nega.
Além disso, embora camuflada na fantasia, e a mitologia Dema, com suas referências a religiões antigas como o zoroastrismo, "Trench" é, na verdade, uma dissertação sobre saúde mental do final de vinte anos. Nas composições, como nas conversas, Tyler diz suas coisas mais interessantes quando ele não olha nos seus olhos.
Tendo a narrativa preparada “durante anos”, ele tentou introduzi-la em “Blurryface”, cujo personagem principal é uma personificação de sua ansiedade e insegurança. Durante esse tempo, ele até se apresentou com as mãos e o pescoço revestidos de tinta preta - para representar o aperto tóxico de sua ansiedade. A maneira como ele descreve "Trench" é semelhante a um mapa psicanalítico do Google.
"É sobre usar a arte de contar histórias para entender melhor um problema muito menos fantástico que está navegando em sua própria psique e dando a ela um destino e lugares que você deve e não deve ir e os personagens que deve evitar. E isso pode ser encontrado dentro da luta de cada pessoa ”, diz Tyler.
"É interessante que 'Blurryface' - onde criei um personagem que representa tudo o que eu não gostei de mim mesmo e tudo o que estou tentando superar coincidentemente foi o álbum que realmente aconteceu para nós", continua ele. “O fato de sermos forçados a revisitá-lo todas as noites é uma lição valiosa em suas próprias inseguranças pessoais: você trabalha com isso, tenta superá-lo, mas nunca é algo que você pode simplesmente deixar de lado e se separar”.
Um trio de músicas em "Trench", Tyler se vê totalmente demitido e existe "fora da mitologia da série Netflix", como ele diz. 'Smithereens' é uma canção de amor bonitinha, dirigida por ukulele para sua esposa, Jenna Black, com quem ele se casou em 2015. 'Legend', entretanto, é uma homenagem ao seu avô, Bobby, que apareceu na capa do álbum de 2013 'Vessel 'ao lado do avô de Josh. Ele começou a escrever a faixa quando a demência de Bobby começou, mas seu avô faleceu em Março do ano passado, antes que pudesse ouvi-la.
Tyler: “Eu menciono nas letras: 'Eu gostaria que ela tivesse te conhecido.’ E eu estou falando da minha esposa, porque quando ela começou a aparecer, ele ficou pior. Ele costumava ser tão espirituoso e iluminava um quarto e mudava a dinâmica social de qualquer situação, e há centenas e centenas de histórias clássicas, mas quando ela chegou, ele estava indo depressa. Ele era imprevisível, não lembrava os nomes das pessoas, o que era um novo tipo de dor.”
Seus olhos parecem lacrimejar. “Meu pai me contou um momento no final - onde ele se lembrava do meu nome - e perguntou: 'O que o Tyler está fazendo?'. Ele sempre perguntava e meu pai tentava explicar: "Ele está em uma banda, toca música". E ele disse: "Bem, eu quero ouvir uma música".
E isso foi antes de eu escrever qualquer coisa para "Trench". Meu pai está dirigindo o carro e ele continua insistindo: "Bem, eu quero ouvir uma música!". E meu pai não tinha nenhuma música no carro. Por puro desespero, ele liga o rádio e agita o dial algumas vezes e uma de nossas músicas está ligada e ele pode dizer: "Lá - aí está ele e esta é a sua música".
“E assim, de uma maneira estranha, você pode pensar em todo o sucesso e reconhecimento que tivemos, foi apenas para preencher uma pequena história onde meu pai foi capaz de mostrar ao meu avô a música que eu escrevi naquele momento no rádio."
Em ‘Neon Gravestones’, tipo Post Malone, Tyler corre contra a alegoria de alguém tirando a própria vida de alguma forma "glamourosa" em vez de uma tragédia, cantando: "Na minha opinião, / Nossa cultura pode tratar uma derrota / Como se fosse uma vitória”, E a fetichização irresponsável do Clube 27 (“ Eu poderia desistir e aumentar minha reputação / eu poderia sair com um estrondo / Eles saberiam o meu nome”).
"Eu estava com medo dessa música", diz Tyler. “Então, essa música é muito preta e branca. Eu trabalhei duro em cada pronome. Porque eu sabia que era um assunto delicado, a última coisa que eu precisava era que alguém entendesse mal o que eu estava tentando dizer. Eu estava com medo de não me esconder atrás da metáfora. Eu entendo que há riscos em ser mal interpretado ou deturpado. Há uma chance absoluta de ofender as pessoas ou parecer desonra, mas eu realmente queria focar nas pessoas que estão aqui para ouvir. Eu queria apontar algo que gostaria de ouvir quando estiver passando por esses pensamentos.”
Tyler aplaude a nova geração de artistas falando abertamente sobre sua saúde mental e desabilitando o estigma. "Eu acho que nossa cultura, quando se trata de suicídio e depressão, deu um grande salto", diz ele. “Estou tão orgulhoso de que a música tenha liderado a capacidade de falar sobre isso tão abertamente, e falar sobre isso é muito importante. Então, de certa forma, eu realmente sinto que há um grande lado disso que tem sido coberto com "vamos falar sobre isso, tipo, você não é louco, não há nada de errado em apenas olhar quantas pessoas passam por isso".
"Trench" culmina com a abrangente "Leave The City", que Tyler descreveu como uma "crise de fé". Tanto ele como Josh foram criados em lares religiosos. O pai de Tyler era o diretor da escola cristã que ele freqüentava; quando Josh era mais jovem, a maioria da música secular foi banida, deixando-o para esconder contrabando de álbuns do Green Day debaixo da cama.
"Um dos equívocos é por causa de onde estamos e do que conquistamos - e porque as pessoas acham que temos um estilo de vida de rock louco - que aprendemos que não precisamos mais de Deus", explica Tyler. "E não é isso."
“Eu sou o tipo de pessoa que precisa desafiar tudo e minha fé é algo que eu sempre passei por temporadas fortemente desafiadoras e uma vez que eu coloquei em teste e vi o que é, eu sou capaz de aceitar isto. Durante 'Trench', houve momentos específicos em que você conseguiu ver onde eu estava em minhas temporadas de desafio e re-aceitação - e eu definitivamente estava passando por um momento desafiador. ”
“A questão é: preciso de Deus? A verdade é que não tenho resposta para isso alguns dias. Alguns dias eu tenho, e porque eu escrevo músicas, eu escrevo letras - você vai me ver entender. Não posso deixar de abordar esses tipos de perguntas porque é por isso que comecei a escrever músicas em primeiro lugar. ”
Essas grandes questões estão à espreita sob o capô de um carro muito brilhante. A razão pela qual twenty one pilots provaram ser tão bem sucedidos comercialmente é porque as próprias canções transbordam de ganchos. Você não precisa saber que "Leave The City" envolve uma crise existencial - ou exige um guia turístico para Dema - para aproveitar o fato de soar como M83 produzindo My Chemical Romance em sua pompa da Black Parade.
O que não pode ser exagerado é o quão divertido é o espetáculo ao vivo de Twenty One Pilots. Hoje à noite, eles se abrem com Josh segurando uma tocha acesa, incendiando um carro, e assistindo a fusileantes de shows de mágica de Vegas, kits de bateria de multidões, homens vestidos de Hazmat borrifando névoa na platéia, confetes e uma competição para encontrar o melhor pai dançarino.
Não é surpresa que Tyler diga que ele é competitivo: como alguém que já foi oferecido uma bolsa de basquete, pode ser. Coloque-o com outra banda e é como hamsters compartilhando uma jaula.
Quando eles assinaram com o emo-citadel Fueled by Ramen - lar dos amigos Paramore e Panic! At The Disco - Pete Wentz do Fall Out Boy levou-os sob sua asa para martelar isso fora deles. "Ele nos mostrou como ser bons irmãos", diz Tyler. "Quando começamos a tocar localmente, você estaria na lista com outras nove bandas. Você queria que eles explodissem, então você viria e roubaria o show. Quando saímos em turnê como o ato de abertura do Panic! e Fall Out Boy, nós tínhamos a mesma mentalidade, mas Pete disse: "Veja todas aquelas pessoas lá fora - vá e faça fãs".
"E eu nunca percebi...", diz ele com total sinceridade e sem nenhum traço de hipérbole em sua voz - "as pessoas poderiam ser fãs de mais de uma banda. Mas estaríamos mentindo se disséssemos que a vantagem competitiva desapareceu completamente. Queremos ser os melhores - e manter todos os outros afastados”.
Enquanto "Trench" foi escrito principalmente por Tyler em seu estúdio no porão em Columbus e enviado para Josh (que agora vive em Los Angeles), seu acompanhamento está sendo escrito na estrada. Ele irá aprofundar ainda mais no folclore de twenty one pilots. "Há um personagem sobre o qual não se fala que desempenha um grande papel e é provável que este seja o próximo passo", diz Tyler.
Josh, por sua vez, tem um casamento para se preparar, tendo se comprometido com a ex-aluna do Disney Channel, Debby Ryan, em Dezembro. Ele brinca que entrará na igreja com solos de bateria. Mas o que há em ambas as mentes é o final da turnê no Reino Unido - estrelando no Reading e Leeds em Agosto.
“Reading & Leeds é um dos primeiros festivais que assistíamos quando nos conhecíamos”, diz Tyler. “Nós assistíamos a vídeos na internet. Nos concentramos nesse programa há meses, no que a produção vai ser.”
Tyler olha para os sapatos, frustrado consigo mesmo. "Não consigo expressar exatamente como isso é importante, mas estamos muito animados em poder provar que esse é o lugar onde pertencemos. Nem todo mundo está lá na platéia para ver você e você tem que conquistá-los, você tem que trabalhar duro para eles. Há outras bandas tentando se destacar e estamos prontos para tirar a cabeça deles.”
Resistência - liderada por bandidos ou não - é fútil.
submitted by Spookycliquebr to u/Spookycliquebr [link] [comments]


2019.03.02 12:01 racortmen El gobierno aprueba in extremis medidas sociales, va a obligar a retratarse al tridente reaccionario; sin embsrgo los medios están a su servicio y hacen de barrera cortafuegos, invisibilizaran estas medidas todo lo que puedan.

El verdadero enemigo esta en esos medios tóxicos, los burdos manipuladores que manejan la opinión de la gente, alguien puede creerse que cualquier diario hoy día vive de vender periódicos?
Yo les dejaría muy claro mi opinion si pudiera acceder a ellos, a ver si los portavoces de Podemos se atreven a decirles a la cara y en directo que son solo unos lamesuelas, chaperos y meretrices de las letras vendidas al peso.
.
Se asemejan a los políticos que intentan profesionalizarse y se apuntan a lo que sea para colocar su trasero en el mejor y mas confortable sillon que les ofrezcan, esto no es una novedad, siempre ha existido por cierto; mucha gente tiene un precio, sobre todo los que carecen de ideología y te cuentan esa estupidez " de los de arriba y los de abajo" y eso como mucho y estos ahora abundan.
.
https://m.eldiario.es/politica/Gobierno-aprueba-extremis-partidos-retratarse_0_873163360.html
submitted by racortmen to podemos [link] [comments]


2018.11.13 17:53 jcuriousacc Please Proofread my “comunicación formal” about la contaminación del aire

I still have to write the rest of the letter and conclude it, so please just review and correct what i have written so far! Thank you!
Estimado Sr. Rivera:
Mi nombre es . Tengo 18 años y vivo en . Le estoy escribiendo sobre el problema de la contaminación del aire y sus efectos en el medio ambiente. Además, también discutiré en ésta letra la importancia de eliminar la contaminación del aire en todos los países de las Naciones Unidas, o aún mejor, del mundo. Muy recientemente, las Naciones Unidas publicaron un reporte sobre las medidas económicas que se pueden implementar en países del mundo donde la contaminación del aire representa el mayor riesgo. Francamente, es preciso que las Naciones Unidas participen y alienten líderes del otros países a promover la reducción y la eliminación de la contaminación del aire.
Ya sabemos que los efectos de gases tóxicos son muy graves. La contaminación del aire causa uno de ocho muertes mundialmente. Milles de milles de personas respiran estos gases. Estos resultan en un variedad de enfermedades en la gente. Por ejemplo, los gases tóxicos pueden causar derrame cerebral, enfermedad resperatoria crónica, cáncer de pulmón, y un ataque al corazón. Se dañan los cultivos por la contaminación del aire. Además, 92 porcientos de la población mundial viven en lugares donde el aire está sucio y la calidad del aire está baja.
Es urgente que encontremos una solución no solo para los países en las Naciones Unidas, sino cada países donde la contaminación del aire es un gran problema y en países donde ésta contaminación es un riesgo creciente.
submitted by jcuriousacc to Spanishhelp [link] [comments]


2018.08.25 18:08 IamnottheJoe Meteora é um disco incrivel.

Bateu uma bad essa semana, aquela melancolia, então, ouvi em algum lugar uma musica que lembra muito o meu primo morto. Where'd you go do Fort Minor acho que é a unica musica que curti. E logo, cheguei ao Meteora (que parece ser o nome de uma cidade cheia de mosteiros.... ou algo do tipo). Caras, que disco. Eu lembro quando ouvi a primeira vez, tinha comprado alguns cds piratas. Ja morava em aqui em sjc e vivia se sub-empregos. Ja tinha uma filha.... acho que eu tinha uns 19, 20 anos. Ainda ouvia muito Californication e Soad. Eu lembro de ter ouvido o som, e pensado comigo mesmo, que som foda. Eu imaginava que não eram musicas feitas para mim, era algo da nova geração e dava um certo orgulho. Hoje, eu percebo que Meteora foi para a primeira década, o que o Nevermind foi para a ultima. Os fã do Linkin Park tem a tendencia a preferir o Hybrid Teory, mas eu gosto mais do Meteora, que acho ser um som mais maturado. O uso do eletronico, meio que techno, com a pegada meio metal e rap foi demais.
A capa representava algo urbano, assim, sujo. O grafiteiro Delta, era um cara que fazia umas letras estilosas, era bem foda mesmo. O Meteora representa pra mim, uma mistura do ódio que sentia na época, algo bem tóxico para quem estava a minha volta. Numb é com certeza o apice da banda (que estava morta bem antes do suicidio). Mas uma passagem que eu me lembro, foi quando eles vieram ao Brasil pela primeira vez. Estava passando uma reportagem no Fantastico, e eu trabalhava em uma padaria. Eu encostei no canto da porta, era uma reportagem de uns 3 minutos, eles no Morumbi. Começou mostrando a galera e o meu chefe passou na minha frente e desligou a tv. Eu fiquei muito puto, era um mundo onde a internet engatinhava, eu não ia conseguir ver novamente.... uma merda. Um cliente que estava ao balcão percebeu e ficou puto tb. Levantou e foi embora.
Não culpo o Linkin Park pela derrocada depois desse disco. Não se faz obras de arte tão fodas, todos os dias. Além disso, eu tb tentaria experimentar coisas novas. Porra, ja estou atolado de dinheiro, faria mesmo. amigos.
submitted by IamnottheJoe to brasil [link] [comments]


2017.12.31 16:40 Ruiva_BDO Sobre o comportamento inadequado...

Venho aqui em um fórum independente registrar minha resposta aos questionamentos sobre a filmagem feita e editada pela equipe da RedFox da segue do dia 23/12/17. Apareço em destaque falando em letras garrafais: "Morreu Vagaba". Uma crítica, uma ofensa, uma deselegância dirigida à uma vagabunda específica! Mas que pelo visto serviu de carapuça para várias outras se condoerem e partiram para o mimimi (Típico dessa geração Nutela). Com todo o chororô que colocaram no fórum da RedFox, recebi um e-mail com uma advertência dos CMs, que já foi deletado... Então vai um recado aos meus haters (nem sabia que os tinha), e aos da minha amada Big Damage: Sou um jogador Tóxico, tenho prazer em fazer trash talk e humilhar as pessoas no chat. Não mudarei meu game player por conta de uns molecotes que fedem a leite c/ pera... Nunca se esqueçam da famosa frase: "Se não aguenta; Bebe leite!" E o meu leitinho é quente, porque sou beijado pelo fogo! Bjos de Luz
submitted by Ruiva_BDO to blackdesertsa [link] [comments]


2017.09.11 11:00 deuszebu Confiança & Arrependimento [Nine-Nine] Mais Uma Vez

Nasci em 91. Tenho uma família arcaica, assim como a maioria das pessoas de idade avançada do interior onde moro. Não os culpo por isso, uma vez que se reflete na falta de instrução dos mesmos. Desde criança, gostei muito de jogar e, naturalmente, meu PC tem sido meu melhor amigo desde então. Durante anos me envolvi com jogos de interpretação de papéis (RPG) e, pra mim, essa era uma proposta perfeita para a fuga da realidade. Uma vez imerso em tais aventuras, fiz alguns amigos virtuais. Eram eles transeuntes, os quais marcavam bons momentos e apenas se iam, sem despedidas. Já não tenho contato com quase nenhum destes.
Interpretar papel é algo que faço bem, as vezes, inclusive, me perco de quem sou ou deveria ser, segundo o que espera-se da minha pessoa. Nunca enxerguei a vida real com um real brilho nos olhos, tive bons amigos, com os quais me diverti bastante, com ou sem drogas envolvidas, mas até então não havia nenhuma conexão com alguém que eu considere tão admirável quanto os personagens que eu mesmo interpretara em tais aventuras. Eis que surge em minha vida um elemento conhecido pelo vulgo Bruxo. Em primeira instância não tinhamos importância alguma um pro outro e, durante anos, nos viamos ocasionalmente e não nos falávamos muito. Sua presença geralmente era aguardada por muitos, se não todos e, onde quer que estivesse, se fazia atração.
Pelo pouco que pude observar, era nítido o seu poder de retórica, enquanto eu, por minha vez, era extremamente introspectivo e imerso em minha mente. O silêncio não me incomodava a mim, talvez sim aos que estivessem ao meu redor. A partir do momento que fui alertado sobre ser tão calado, passei a me sentir um tanto quanto um espião e, de certo modo, evitei estar em locais onde a minha presença não era uma necessidade. Meu primeiro contrato com o Bruxo foi um celular o qual ele me vendeu num valor bem barato e me fez acreditar que eu era alguém especial para ele, segundo seu diálogo envolvente. O mesmo me alertou para não comentar sobre a aquisição com as pessoas em comum ao nosso meio, que se resumia à cerca de umas vinte pessoas, na época.
A partir desse momento, me senti em débito de fidelidade com o mesmo e, gradualmente, acabei me afastando da maioria dessas pessoas do nosso ciclo. Eram todas elas, aparentemente, de ótima índole e algumas já haviam me avisado sobre quão tóxico ele poderia ser. O Bruxo já me causara dúvida em relação à raiz fundamental de suas atitudes. Por outro lado, sua habilidade de omitir o que importa e ludibriar, ao falar o que importa aos ouvidos alheios, me fascinava e eu invejava tamanha eloquência e perspicácia. Vendo em mim um devoto seguidor, o solitário lobo abriu uma vaga na sua carruagem para que eu embarcasse em algumas aventuras com ele. Desde então, tornamo-nos cúmplices em várias peripécias.
O tempo passou e eis que tivemos nosso primeiro conflito em relação à confiança cega. Conheci a cocaína através dele e isso não chegou ser algo relevante, já que eu sabia que se trata de uma droga cara e eu, vindo de família humilde, sabia que não podia me dar o luxo de usar uma química capaz de elevar tanto o ego. Já ele, era viciado nessa maravilha em forma de pó. Em determinado momento de nossa trajetória, eu fui despedido do trabalho, sem seguro desemprego e recorri ao bruxo pra me defender em relação à essa grana que o patrão deveria ter me pago e o mesmo me auxiliou até que eu conseguisse vencer esse valor sem necessidade de recorrer à justiça.
Metade dessa quantia recebida me foi requisitada pelo bruxo, com a promessa de me retornar a o mesmo valor em pouco tempo. De pronto, aceitei, até porque eu fui até ele em primeiro lugar, caso contrário, eu iria me conformar em sair do trabalho de mãos atadas. Foi um conflito tenso entre eu e meu chefe, diga-se de passagem. Não bastando o débito, o bruxo me persuadiu a fazer um empréstimo com o banco através de meu crédito especial. Sacou tudo quanto foi possível, na promessa de retorno. Nunca vi a cor desse dinheiro de volta e a dívida se acumulou, já que meus pais também não tiveram condição de pagar. Quando conseguiram juntar uma grana pra não deixar meu nome ficar no SPC, os juros já tinham mais que dobrado. Não chegou aos cinco dígitos, mas já tinha caminhado meio caminho até lá.
Dívida à parte, ainda éramos cúmplices de aventuras e houve um episódio extremamente marcante pra mim, onde eu me envolvi com uma garota que conheci através de outra com quem eu já ficava. Era uma conexão rasa, para ambos, mas eis que o bruxo se envolve na cena e resolve propor que a gente vá estudar morar na casa dessa garota, que morava só. Ela era lésbica, a princípio, mas acabamos ficando e, posteriormente, percebi que ela não estava mais afim de mim e, aparentemente, estava bem suscetível ao bruxo. Me limitei a expressar tal frustração através de desenhos. Nunca fui de desenhar, mas parecia apropriadamente inspirado para isso.
Mais tarde, ainda nesse episódio da morada com a desconhecida, houveram alguns maus momentos entre nós e ele me ofereceu uma coca de boa procedência, a tal nine-nine. Não sei explicar se foi a química ou a situação e o ambiente, mas eu me senti muito mais afetado, dessa vez, com uma dose muito menor da que eu já havia experimentado outrora. Em um certo momento, tive uma discussão com ela e isso se tornou em uma agressão física da parte dela. Como calado não poderia ficar, sob efeito da bendita, eu apanhava sorrindo, de sangue quente e dentes trincados, então a retribuia com questões agressivas, sem me preocupar com o quanto aquilo estava por ferir a moral da mesma. Eu não faria isso de cara, já que ela era uns cinco anos mais nova que eu.
A situação melhorou quando o bruxo teve a brilhante ideia de ligar para a polícia e reportar agressão, antes disso, ele havia ligado pra minha casa e aviso à minha mãe para reunir tantas pessoas quanto fosse possível, pois eu estava impossível de ser contido e estaria chegando lá em breve. Os homens da lei chegaram, viram a bagunça na casa, eu havia quebrado uns ovos da geladeira pela casa, quando ele ligou. Madness. Ouviram-no por um curto período e já foi o suficiente pra me algemarem e me levarem até minha casa, o bruxo me acompanhou na viatura. Desci gritando "Socorro!", já que é o nome da minha mãe. Eu já estava num estado de espírito em que não me importava mais com quase nada, nem mesmo em desrespeitar as autoridades com tamanha ironia, de pedir socorro, colocando-os em posição de quem está a me por em perigo, quando na verdade deveriam representar o oposto.
Antes de me remover as algemas, o oficial me deu um mata leão dentro de casa, sob gritos de minha vó e apelo de vários presentes pra que ele parasse com aquilo. Segui como se nada tivesse acontecido e me dirigi ao meu quarto, tirei minha roupa e saí de lá nu, na vista de todos. Peguei minha toalha e tomei um banho gelado, sem pressa em parar de receber aquele jato frio na cabeça. De fato, eu sabia que precisava estar tão sóbrio quanto possível. Saí e dialoguei com todos os presentes, como se nada tivesse acontecido. Estavam todos espantadíssimos, com minha capacidade de estar tão na boa, ao invés de rastejando por perdão pelo incidente. Como haviam bem umas dez pessoas presentes, todas elas importantes, não souberam nem o que dizer, em relação à sermões. Ao menos tiveram respeito pela situação de crise que se apresentara.
Meu pai foi o primeiro a abrir a boca, tomou a cena aos berros de uma oração e fez da situação uma justificativa para dizer que havia em mim um demônio. Como sempre o vi como hipócrita, acreditei que ele tivesse fazendo aquilo pra me defender de uma degeneração maior. Eu dei atenção aos que eu realmente gosto. A partir daquele momento, passei a agir como um animal selvagem, sempre alerta e pronto pra agir, fazia apenas o que me apetecia e não me sentia mais como um ser domesticado. A história repercurtiu por toda minha família por parte de pai e mãe, pseudointelectuais e ovelhas de cristo, respectivamente. Neste caso, não sei o que é pior, o conhecimento e o desdém ou a ignorância e a misericórdia.
Me afastei do bruxo, isso havia sido explicitamente deixado claro pelos meus pais desde o momento em que pagaram a dívida que o mesmo deixou sob meus ombros e eu ignorara. Passei a frequentar psicólogos e psiquiatras do CAPS e particulares, a fim de satisfazer meus pais, que tentavam descobrir o que havia de errado comigo. Todos diagnósticos explicitavam que eu estava são e bem consciente sobre tudo que aconteceu e eu sabia disso, assim como sabia que eles não aceitavam aquela atitude vinda de mim, o que me fez acreditar que eu poderia ter borderline. Foi uma fase complicada, me afastei de todos contatos possíveis. Todos! Desenvolvi um certo pânico, derivado da superproteção, em que eu sentia que estava sendo perseguido e que as pessoas as quais eu me considerava próximas poderiam estar em perigo. Cheguei a interpretar mensagens subliminares pra mim, na TV.
Passaram-se alguns anos e o bruxo apareceu novamente. Se aproximou aos poucos e, de repente, estávamos juntos em missões suicidas novamente. Narrando essa história, me sinto na posição daquele ser imbecil dos filmes de suspense, que sabe que vai dar merda se continuar e, mesmo assim, segue rumo ao perigo. De algum modo, ele foi a única pessoa que me entendeu, até hoje. Por mais escroto que o mesmo tenha sido comigo, eu não conseguia vê-lo como um inimigo e, mais uma vez, abri a guarda. Seguimos uma nova fase da aventura em que ele viera morar num bairro próximo de onde eu moro, com uma namorada a qual ele não ama, nem mesmo dizia ter relações e ainda dizia que se eu ficasse com ela, que era um alívio pra ele.
Várias coisas altamente insanas aconteceram. Pela primeira vez eu tinha um pico legalize pra dar um dois, beber sem me preocupar sobre onde cair morto e também dava pra levar umas parceiras. Como é de se esperar, nem tudo são flores. Eu estava à caminho do bruxo, às três da manhã, para entregar a ele uns cartões de sua namorada. Por fruto de um acaso infeliz e de um ser infernal de má índole atrás do volante, aconteceu um acidente comigo e eu quase morri. Por incrível que pareça, eu me preocupava mesmo era com minha moto, que fora destruída e estava sem seguro. Caí inconsciente e somente no outro dia fui saber o que estava acontecendo, foi quando meus pais souberam que novamente eu estava conectado com o ser o qual eles mais abominam em minha vida, chegam a dizer, com convicção, que ele é o demônio.
Levou um tempo até eu me recuperar do acidente e algumas sequelas seguem até hoje, mas eu ainda tinha contato com o abominável homem das neves do sertão. Eu sempre fui o rei da evasão, mas já tava ficando complicado inventar nome de pessoas pra justificar minhas saídas e dormidas fora. Quisera eu que houvesse uma cúmplice pra justificar como namorada, essa sorte não tive. Como se não bastasse tanta desgraça em minha vida, eu aceitei o pedido do bruxo em emprestar meu cartão de crédito ao bruxo e ele torrou mais quatro dígitos, na promessa de que ele pagaria nos meses seguintes. Ele pagou o mínimo da primeira, as restantes foram parceladas com altos juros.
Tenho passado maior perrengue pra pagar essa conta. Já fiz uma dívida alta com minha prima, pra pagar uma parcela a qual ele me deu o valor de pagar, depois pediu pra guardar e, quando pedi pra ele pegar, o mesmo disse que já havia me dado e que eu perdi. Eu tava certo de que nunca perderia uma alta quantia de dinheiro, mas acreditei no que havia me dito, já que negar também não ia dar em nada, já que não haviam provas. Atualmente, estou à uma semana com atraso na fatura do cartão e não tenho condição alguma de conseguir a grana. Hoje foi o dia que planejei contar à minha mãe sobre essa situação, na esperança de que ela pague e não me mate. O clima aqui em casa tem estado tão bom que a última coisa que eu queria fazer é estragar, mas é o preço que estou tendo que pagar, mais uma vez, pela confiança.
Não sei se posso afirmar se estou arrependido, nem sei se eu voltaria a ter contato com o bruxo. É sempre o mesmo drama mental e isso me consome como nada antes na vida. Um bônus delicioso nessa história é que na semana passada chegou uma cara em minha casa de cobrança do meu plano de saúde. Tal fatura o bruxo havia me dito pra emprestá-lo o valor de pagar e me tranquilizou dizendo que me daria o valor no início da semana, depois pediu o boleto e o restante do valor que eu tinha, afirmando que pagaria na lotérica no próximo dia útil. Bom, a cobrança já deixa bem claro que ele não teve consideração em honrar com sua palavra. Me sinto vítima de estelionato pela única pessoa que cheguei a considerar ser um amigo de verdade.
TL;DR: Confiei em um amigo único e o mesmo me causou arrependimento, ao me dar toco financeiro consecutivamente e, aparentemente, sem remorso.
Esse depoimento me faz lembrar da música Mais Uma Vez de Legião Urbana. Nela, o Renato Russo inicia com palavras que parecem levar luz aos corações desesperados e suicidas:
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã Mais uma vez, eu sei Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã Espera que o sol já vem
Em seguida, ele completa com alertas que servem perfeitamente como desfecho pra essa tragédia narrada:
Tem gente que está do mesmo lado que você Mas deveria estar do lado de lá Tem gente que machuca os outros Tem gente que não sabe amar Tem gente enganando a gente Veja a nossa vida como está Mas eu sei que um dia a gente aprende Se você quiser alguém em quem confiar Confie em si mesmo Quem acredita sempre alcança!
E quando você pensa que não tem mais saída, que tudo que foi vivido foi um erro, vem o conselho final:
Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena Acreditar no sonho que se tem Ou que seus planos nunca vão dar certo Ou que você nunca vai ser alguém
E é com a letra dessa linda música, que tanto marcou minha adolescência, mas só agora parece fazer sentido visceral, que me despeço de vocês.
Salaam Aleikum ^-^
submitted by deuszebu to brasil [link] [comments]


2015.09.30 12:43 hartita Quita hipotecaria a particulares: Blackstone rebaja un 10% a exclientes de CX

En julio de 2014, el Fondo de Reestructuración Ordenada Bancaria (FROB) adjudicó al fondo estadounidense 41.000 préstamos hipotecarios calificados como tóxicos de Catalunya Banc, matriz de CatalunyaCaixa que sería adjudicada posteriormente a BBVA. Una operación que se finiquitó a finales de abril.
Así, Blackstone ya podía hacer y deshacer con las 41.000 hipotecas de Catalunya Banc. La cartera se saldó con un coste de 4.123 millones de euros, de los que Blackstone puso 3.498,4 millones ye l FROB los 524,9 millones restantes. El valor nominal de la cartera alcanzaba los 6.392 millones de euros, es decir casi un 30% de descuento contando las ayudas del FROB
Un margen que permite a Blackstone ofrecer hasta un 10% a aquellos “agraciados” que hayan recibido la carta de Anticipa. Precisamente, Anticipa sustituyó la plataforma vendedora de CX Inmobiliaria, la inmobiliaria de CatalunyaCaixa. Actualmente es en la web de Anticipa donde se comercializan los inmuebles de la rescatada caja catalana, cuyo negocio bancario fue subastado y adjudicado a BBVA.
”Nos ponemos en contacto con usted para proponerle dos ofertas especialmente dirigidas a una selección de clientes, entre los que se encuentra usted, y que esperamos serán de su interés”, señalan en el escrito que está fechado en septiembre de este año.
Las dos ofertas, en letra mayúscula y con negrita, son: “por cada 1.000 euros que pague anticipadamente nosotros cancelamos otros 500 euros” o “si paga anticipadamente el 90% de su hipoteca, nosotros cancelamos el 10% restante”. En el caso de la primera opción, está limitada a una cancelación máxima por parte de Anticipa equivalente al 8% y en la segunda tiene como fecha tope del pago el 30 de noviembre.
submitted by hartita to podemos [link] [comments]


2015.04.06 02:21 racortmen Por que el 34% de los votantes madrileños votarían a Esperanza Aguirre?

Seguramente porque el votante poco formado, sin ideología, necesita referentes; puede que no conozca en profundidad la oscura trayectoria política de esta señora, ella tiene además a su servicio los medios tóxicos de comunicación, el haberse rodeado de corruptos, suponiendo que lo desconociera, le debería ya de inhabilitar por su falta de visión política, si embargo su capacidad para conectar en plan choni con el pueblo Belencista, apareciendo en la pradera de San Isidro por ejemplo, su desaforado ataque a los agentes de movilidad, defendiendo lo indefendible, con el silencio manifiesto de estos como institución, manipulando los hechos hasta hacerlos inverosímiles con la complicidad de una justicia mostrenca y entregada, consiguió convertir el grave incidente que protagonizo en una anécdota. Decía que el pueblo necesita referentes y ha encontrado en ella ese referente, no la elige por su ideología, ni su historial nada limpio, ni su falta de objetividad con los demás, ella dice ''viene a salvar la democracia e impedir que PODEMOS gobierne'', lo ve como un peligro nada menos, ese 34% le vota porque es ''su referente'' y la viste de valores y capacidades de los que a todas luces carece, pero todo da igual, su lengua viperina reparte para todos, nadie se salva menos ella. Y los demás que hacen? que hace PODEMOS? pues primero decir que no se fía de sus posibles candidatos y no utiliza sus siglas en las municipales y autonómicas, se ''esconde'' en una sopa de letras, de siglas, que despersonalizan el cambio que quiere protagonizar PODEMOS, además aparece Ciudadanos, la nueva derecha que recoge el voto huido del PP, el comodín a utilizar por el PSOE andaluz y el PP madrileño. Una cosa es clara, este pueblo no castiga la corrupción, la ignora y/ o desconoce, y así se vuelve como ellos, se vuelve cómplice de los canallas, palabras de Pérez Reverte. La candidata de Ahora Madrid es un gran acierto desde luego, pero suena raro que PODEMOS necesite una independiente, acompañada por cierto por viejos conocidos de la política, llegados de otras siglas, alguno con algún inquietante y prolífico historial político que se ve que quiere continuar a toda costa, el sillón produce adicción. Resumiendo, PODEMOS ha perdido una gran oportunidad en Madrid de tener hace tiempo, un candidato que diera a conocer conectando con esos que buscan ''referentes'' que les ''seduzcan'', Manuela es una gran candidata desde luego, esperemos que el votante abandone la inercia que ha permitido que la derecha gobierne en Madrid 27 años, y comience otra era de mayor dignidad y menos corruptelas; poca gente sabe que el faraón Gallardón dejo a Madrid con una deuda de unos 7.200 millones de euros, deuda que lastrara esta ciudad muchos años mas.
submitted by racortmen to podemos [link] [comments]


2014.08.10 13:13 anlilabert CREACIÓN DEL "BANCO BUENO"

Este tema, solo se puede llevarse a cabo con un cambio 
de política que nos libere del funesto poderío económico defendido
a capa y espada por nuestros representantes pasados y actuales en
las instituciones del estado.
Los que aparentan mandar llegan a la reflexión divina que como 
los bancos están tan mal la única solución posible es que escondan
de su balance los activos tóxicos, esos pisos procedentes del desahucio,
mas los de las promotoras que recogieron como dación en pago se los
quede el Estado y se pague al contado. Esto en síntesis, es el banco
malo, un instrumento hecho a medida con el fin que l deuda pública
apechugue con el error estratosférico al pasarse de frenad en los años
locos ofreciendo préstamos hipotecarios.
Es en este punto donde entra en escena el “Banco Bueno” con 
la pretensión de desbaratar y deshacer toda la estrategia del disparate
pensada y aplicada, exclusivamente, para favorecer a los bancos y
aplicada como única solución. Es evidente, que en las actuales
circunstancias no se puede tomar al pie de la letra la receta aplicada
por Roosevelt con su Corporación de Prestamos a los Propietarios de
vivienda (Home Ornes Loan Corporación) HOLC pero si su espíritu.
La idea básica tratara de que los bancos no puedan ejecutar la hipoteca,
es decir no puedan solicitar el desahucio al exigir el vencimiento anticipado
de todas las cuotas pendientes futuro.
El “Banco Bueno” (la HOLC española) podría subrogarse en el préstamo 
y evitar la subasta por los que los tramites se acortan y las cuotas pendientes
de pago no llevan adosadas la burrada de intereses de demora y gastos judiciales.
El “Banco Bueno” inscribiría en el registro de la propiedad (sin gastos ya que los bancos tampoco los tienen) la finca en cuestión (piso o casa) al desembolsar las cuotas vencidas y pendientes de pago, una cantidad que en muchos casos podría ser ridícula en comparación del valor de la vivienda, eso sí tendría la obligación mensual de atender a los vencimientos. Con esta intervención del “Banco Bueno” desbarata la estrategia el banco prestamista (el titular de la hipoteca) ya que no sufrirá siniestro alguno, cobrara los cuotas pendientes de pago y ahora es el “Banco Bueno” su nuevo deudor hasta llegar a la finalización de la hipoteca. Se entiende, como pasó en los EE.UU, que al cabo de unos pocos años se solvente la situación de emergencia y se pueda desprender de esta obligación al transmitir la propiedad a su legítimo dueño, que mientras tanto a mantenido un alquiler social, ayudando así al capital del “Banco Bueno”. Para
aclararlo
del todo, con esta intervención de desbarata la ejecución, la subasta y la
adjudicación
de la vivienda, es decir se deshace la martingala de cobrar al contado una
operación
financiera destinada a durar 25 o 30 años. Lo único que pierde el deudor todos los
pagos
realizados desde el momento de la compra por las cantidades no financiadas, las
cuotas
pagadas y los impuestos que obtuvo el estado por la operación de querer ser
propietario.
El estado, por cuatro duros se puede hacer con la propiedad de la vivienda y con
el
importe del alquiler social obtenido le ayudara a hacer frente a las cuotas
venideras
de la hipoteca. No obstante, al ser insuficiente tendrá que rascarse el bolsillo.
¿El dinero necesario para el proyecto del “Banco Bueno” cae del cielo? Desde luego
que no.
Estoy convencido que una emisión de de deuda del estado dedicada a este fin
seria
muchísimo menor que la que se ha realizado para rescatar a los bancos. Además
de la
deuda pública, los activos de esta sociedad estatal, estarían respaldados por el
valor de
las viviendas ocupadas y las cuotas del alquiler social.
submitted by anlilabert to podemos [link] [comments]


2014.07.13 12:14 SIPODEMOSDR DECÁLOGO EN BUSQUEDA DE SUPERVIVENCIA (2), ATAQUE AL PODER

8 acciones para incorporar a Podemos.
Gracias Sr. Novoa. Ataque al Poder
http://ataquealpoder.wordpress.com
" Un decálogo en busca de supervivencia (2)
(6.- Retorno de la Ley Glass Steagall: Separación de la banca de depósitos de la banca especulativa
La evolución de los modelos económicos que se desarrollan en los EE.UU. acaban repercutiendo en el mundo occidental donde impera el capitalismo. Estos modelos se introducen en el sistema a conveniencia de los grandes bancos. Todos actúan a tal velocidad en busca de beneficio que por su codicia acaban por desestabilizar el concepto básico de deuda. De una misma deuda, por ejemplo de una hipoteca como las descrita en el post anterior punto 3), el sistema de la banca en su versión especulativa se crean una serie de “productos” derivados que a la vez derivan en otros hasta que se forma una pirámide invertida de deudores para un mismo acreedor. Todo esto se aguanta desde el mismo momento que los bancos centrales (la Reserva Federal o el Banco Central Europeo –BCE-) emiten dinero a condición de que exista un deudor por lo que la bola de deuda rueda descontrolada al haber perdido la capacidad de poner orden y todo pende de un hilo hasta que el sistema aguante. Las medidas que se toman por los bancos centrales no son más que parches y ninguna se toma en beneficio de la población, por ejemplo el BCE tiene la orden de cuidad por la estabilidad de los precios y no está en sus funciones la estabilidad del empleo. La situación en España con un desempleo que se sale del mapa con millones de familias abocadas a las situaciones más perentorias lo único que escuchan es que la economía va bien. Este infortunio sólo puede darse cuando un gobierno se ha visto superado por una oligarquía que actúa en su propio interés y se siente que forma parte de una nobleza que solo responde al beneficio que obtiene.
No hay que remontarse mucho más allá de la historia reciente: el crack del 29. Nos tenemos que preguntar por el remedio que encontró el gobierno de la época, la administración Roosevelt, para salir del batacazo descomunal que provocó el crack del 29. Entre los errores y aciertos de Roosevelt fue la aplicación de la Ley Glass Steagall que imponía la separación de la banca de depósitos de la banca especulativa que asume riesgos. Fue promulgada en 1933 y estuvo vigente hasta 1999. La actividad de los banqueros norteamericanos fue frenética intentando borrar del mapa “el último vestigio de una época pasada”, tal fue la presión política que en el mandato del presidente Clinton la Ley Glass Steagall fue derogada. En los pocos años que van desde 1999 a 2007 los banqueros norteamericanos representados por Wall Street llevaron la economía financiera de nuevo al traste, esta vez con una magnitud miles de veces mayor al crack del 29 debido a la manipulación de la deuda y de los productos derivados que se inventaron. El mundo capitalista que siguió los pasos de Wall Street tuvo en la City de Londres el clon que necesitaba para que el desastre llegara con toda su fuerza a Europa. La desregulación promovida por la banca, por su propia codicia, le llevó de nuevo al desastre con las graves consecuencias de arrastrar a la población entera. El desastre se ha vuelto a repetir pero resulta que la oligarquía que domina Europa prescinde de las medidas que se aplicaron en el crack del 29 con el cierre de bancos, con banqueros en la cárcel, JP Morgan entre ellos, y la drástica separación de la banca de depósitos que garantiza los ahorros de los clientes de una banca especulativa para que juegue al casino con su propio dinero. Para más detalles ver: La historia se repetirá ¿Podemos evitar tropezar con la misma piedra?… Sigue leyendo →
¿En que punto se encuentra este asunto? Se puede decir con claridad que este objetivo solo puede ser alcanzado una vez que los partidos políticos que han sido captados por el poder de la banca pasen a la oposición y su lugar lo ocupe sabia nueva. La implantación de la Ley Glass Steagall debería de figurar en los programas electorales de los nuevos partidos. En los EE.UU. el Movimiento Lyndon LaRouche se ha estructurado en convencer a congresistas y senadores de la necesidad de reintroducir esta ley que sujetaba la codicia de la banca. En Europa, el Movimiento LaRouche tiene representantes y grupos activos en Alemania, Francia y también en España. ¿Por qué no te añades al grupo español?
(7.- El “banco bueno”: Los gobiernos de turno se decantaron por el “banco malo”
Este asunto, como también el anterior, solo se pueden llevarse a cabo con un cambio de tendencia política que nos libere del funesto poderío económico defendido a capa y espada por nuestros representantes en las instituciones del Estado. Los que aparentan mandar llegan a la reflexión divina que como los bancos están tan mal la única solución posible es que escondan de su balance los activos tóxicos, esos pisos procedentes del desahucio, más los de las promotoras que recogieron como dación en pago se los quede el Estado y se les pague al contado. Esto, en síntesis, es el banco malo, un instrumento hecho a medida con el fin que la deuda pública apechugue con el error estratosférico al pasarse de frenada, en los años locos, ofreciendo préstamos hipotecarios. Es en este punto donde entra en escena el banco bueno con la pretensión de desbaratar y Deshacer toda esta estrategia del disparate pensada y aplicada, exclusivamente, para favorecer a los bancos y aplicada como única solución. Es evidente, que en las actuales circunstancias no se puede tomar al pie de la letra la receta aplicada por Roosevelt con la Corporación de Préstamos a los Propietarios de Viviendas (Home Owners Loan Corporation) HOLC pero si su espíritu. La idea básica trata de que los bancos no puedan ejecutar la hipoteca, es decir no puedan solicitar el desahucio al exigir el vencimiento anticipado de todas las cuotas que quedan pendientes a fututo. El banco bueno (la HOLC española) podría subrrogarse en el préstamo y evitar la subasta por lo que los tramites se acortan y las cuotas pendientes de pago no llevan adosadas la burrada de intereses de demora y gastos judiciales. El banco bueno inscribiría en el registro de la propiedad (sin gastos ya que los bancos tampoco los tienen) la finca en cuestión (piso o casa) al desembolsar las cuotas vencidas y pendientes de pago, una cantidad que en muchos casos podría ser ridícula en comparación del valor de la vivienda, eso sí, tendría la obligación mensual de atender los vencimientos.
Con esta intervención del banco bueno desbarata la estrategia el banco prestamista (el titular de la hipoteca) ya que no sufrirá siniestro alguno, cobrará las cuotas pendientes de pago y ahora es el banco bueno su nuevo deudor hasta llegar a la finalización de la hipoteca. Se entiende, como pasó en los EE.UU., que al cabo de unos pocos años se solvente la situación de emergencia y se pueda desprender de esta obligación al transmitir la propiedad. Para aclararlo del todo, con la intervención del banco bueno se desbarata la ejecución, la subasta y la adjudicación de la vivienda, es decir se deshace la martingala de cobrar al contado una operación financiera destinada a durar 25 o 30 años. ¿Qué pasa con el deudor? Parece lógico que el deudor con tal de no verse en la calle y que encima se le endose una deuda que nunca podrá pagar, entiendo que de buen grado aceptaría quedarse en la vivienda con un alquiler social, y así poder dormir tranquilo. El único perdedor que aparece en esta foto es el deudor que pierde todos los pagos realizados desde el momento de la compra por las cantidades no financiadas, las cuotas pagadas y los impuestos que obtuvo el Estado por la operación de querer ser propietario. El Estado, por cuatro duros se puede hacer con la propiedad de la vivienda y con el importe del alquiler obtenido le ayudará a hacer frente a las cuotas venideras de la hipoteca. No obstante, al ser insuficiente tendrá que rascarse el bolsillo. Tendrá, entonces, que pasar un tiempo (la casuística es muy grande para poder hacer números) hasta que la ventaja obtenida por una adquisición a precio de ganga se vaya diluyendo.
¿El dinero necesario para el proyecto del banco bueno cae del cielo? Desde luego que no. Estoy convencido que una emisión de deuda del Estado dedicada a este fin, el auxilio de miles de familias en exclusión social, con un rendimiento aceptable se colocaría sin la necesidad de que intervengan los “mercados” en una clara disposición de ayudar, por aquellos españoles que tienen ahorros. Además de la deuda pública, los activos de esta sociedad estatal (el banco bueno) estarían respaldados por viviendas ocupadas que poco o mucho ayudarían a hacer frente a pagar la cuota mensual de la hipoteca. No hace falta referirse a una formula matemática que llene una pizarra entera, he hecho unos números a ojo de buen cubero ya que no se dispone de datos fiables. Dicen que existen 4 millones de hipotecas con la maldita cláusula suelo, aquella que los bancos colaron en las escrituras que a pesar de que el tipo de interés pudiera bajar el hipotecado no se podría beneficiar de la reducción. Los privilegios a la banca fracturan la estabilidad social (y 3)… Sigue leyendo → Es, sin duda, una subvención encubierta a los bancos que acaba repercutiendo en las arcas del Estado. Practicando la cuenta de la vieja salen estos números: 4 millones (esta cifra se desconoce con exactitud ya que los bancos no la publican) de hipotecas con un sobrecoste de 71 euros de media por efecto de la cláusula suelo, esta multiplicación da al mes la bonita cantidad de 284 millones de euros que daría para soportar 710 euros de déficit en 400.000 familias que no pueden pagar su hipoteca. Otra cuenta, según la asociación ADICAE eleva la mangancia de la cláusula suelo sobre una hipoteca de 150.000 euros a 30 años y referenciada al Euribor + 1, la cláusula suelo media (del 3’56%) genera en la actualidad, con el Euribor en el 0,562, un sobrecoste artificial de 1.931,04 euros anuales (160,92 euros mensuales) a cada hipotecado, lo que constituye muestra evidente de la gravedad del abuso. Los números 160,92 € x 4 millones de hipotecas = 643 millones de € que daría para pagar 947.887 hipotecas de 710 € de cuota mensual. Estamos al cabo de la calle. ¡Si se puede! Abría que añadir la devolución del dinero entregado ya que resulta lo comido por lo servido: la cantidad del dinero entregado, los bancos, la han transformado en beneficios. Mientras los bancos tienen beneficios el banco malo, el Sareb, pierde 42.000 millones nada más empezar. Quo Vadis España.
¿En que punto se encuentra este asunto? Al igual que el punto anterior esta posible solución se encuentra en el plano teórico. Como objetivo solo puede ser alcanzado una vez que los partidos políticos encaramados en el poder pasen a la oposición y su lugar lo ocupe sabia nueva. La constitución de un banco estatal a semejanza por el impulsado por la administración Roosevelt ayudaría a los atrapados por la hipoteca a causa de la crisis. De momento se necesitan entusiastas, sobretodo que surjan de esta inmensa bolsa de hipotecados, que lleven a los partidos emergentes la necesidad de encontrar un paliativo en beneficio de este colectivo en lugar del despilfarro de la ayuda a los bancos que para situar un ejemplo en Catalunya Bank se dilapidaron 12.000 millones de euros y no hay forma de recuperarlos o CaixaNovaGalicia donde el dispendio llego a los 9.000 millones de euros y a todo lo más se recuperaron 1.000 millones. Por el contrario las ejecuciones hipotecarias en los últimos seis años se han multiplicado por diez."
submitted by SIPODEMOSDR to podemos [link] [comments]


Jowell y Randy - Tóxicos - Viva el Perreo LETRA OFICIAL ... Scrop - Tóxicos (Letra) - YouTube Manuel Turizo - Quiéreme Mientras Se Pueda (Letra) - YouTube CNCO - Toxica (Letra/Lyrics) - YouTube Jowell y Randy - Toxicos (Letra) - YouTube Besos toxicos - Romeo Santos (Letra/Lyric) Tóxicos - Jowell y Randy Letra/Lyrics 'tu eres mi toxica ... Jowell Y Randy – Tóxicos (Letra/Lyrics)  Armonia - YouTube Amor Tóxico - Christian Nodal (Letra/Lyrics) - YouTube

Elementos Químicos: origen, clasificación y características

  1. Jowell y Randy - Tóxicos - Viva el Perreo LETRA OFICIAL ...
  2. Scrop - Tóxicos (Letra) - YouTube
  3. Manuel Turizo - Quiéreme Mientras Se Pueda (Letra) - YouTube
  4. CNCO - Toxica (Letra/Lyrics) - YouTube
  5. Jowell y Randy - Toxicos (Letra) - YouTube
  6. Besos toxicos - Romeo Santos (Letra/Lyric)
  7. Tóxicos - Jowell y Randy Letra/Lyrics 'tu eres mi toxica ...
  8. Jowell Y Randy – Tóxicos (Letra/Lyrics) Armonia - YouTube
  9. Amor Tóxico - Christian Nodal (Letra/Lyrics) - YouTube

SUSCRIBETE Y COMPARTELO CON TUS AMIGOS Jowell y Randy - Tóxicos - Viva el Perreo CNCO - Toxica (Letra/Lyrics) Contacto: [email protected] #CNCO #Toxica #Letra #Lyrics 50+ videos Play all Mix - Besos toxicos - Romeo Santos (Letra/Lyric) YouTube; Romeo Santos - Te Invito - Duration: 3:34. Randy Martorell 15,375,603 views. 3:34. Tóxicos - Jowell y Randy Letra/Lyrics 'tu eres mi toxica yo soy tu toxico' tu eres mi toxica yo soy tu toxico, yo soy tu toxico tu eres mi toxica ️🔥 Suscríb... He aquí la canción de Tóxicos, espero y lo disfruten Todos los derechos a Jowell y Randy Jowell Y Randy – Tóxicos Letra Lyrics Armonia Tóxicos by Jowell Y Randy lyric video Subscribe for more new latin songs letra: http://bit.ly/armoniachannel Fo... ️Si te dedicas a la música y quieres publicidad en mi canal, escríbeme a: silvia_zc @hotmail.com 🔔 Suscríbete, activa la campanita, y entérate de cada video... Promociona Tu Música Con Nosotros ⬇️Contacto⬇️ Instagram : @eldelregional Siguenos En Nuestras Redes Sociales Amor Tóxico Christian Nodal AYAYAY! Un día me a... ⓞⓣⓡⓞ ⓒⓐⓝⓐⓛ ⓓⓔ ⓡⓐⓟ Si eres propietario de la canción y estás en desacuerdo con algo en concreto por favor ponte en contacto conmigo a trav...